Música na Educação: 5 dicas para evoluir a Identidade Sonora do seu filho

Tempo de leitura: 6 minutos

Música na Educação: 5 dicas para evoluir a Identidade Sonora do seu filho

Será que dá pra viver uma infância sem música?

Hum… será?

A educação e a vida definitivamente seria bem diferente.

Quem nunca ficou feliz em ouvir sua música favorita tocar ou lembrou de alguém ao escutar uma canção. A música possui um poder incrível de alterar e mexer com as sensações das pessoas.

Então, será que Nietzsche estava certo?

– Sem música a vida seria um erro. 

O fato é que muitas atividades se tornam mais prazerosas com a música tocando simultaneamente. A música ativa a imaginação e ajuda no desenvolvimento da criatividade, por essas e outras razões, ela tão importante.

Mas como a música realmente nos afeta? Como trabalhar com a música na infância? E como a música pode contribuir no aprendizado escolar?

Se você é fã de música e deseja saber mais sobre como ela nos influencia, continue nesse artigo para saber mais sobre:

  • Como a música afeta o nosso cérebro?
  • O que é ISO (Identidade Sonora)?
  • 5 dicas para evoluir a identidade sonora do seu filho.

Vamos lá?

Como a música afeta o nosso cérebro?

Música na Educação

Segundo uma pesquisa realizada por um Instituto de Neurologia da Inglaterra em 2012, o processamento musical envolve 3 etapas: percepção musical, reconhecimento e emoção.

Córtex auditivo primário e o giro temporal superior são áreas responsáveis pela percepção musical e é sensível a percepção do tom.

O ritmo é processado no cerebelo, nos gânglios basais e nos lobos temporais superiores.

O reconhecimento música e a emoção envolve o orbito-frontal e o sistema límbico, eles estão envolvidos com a memória musical e com as emoções ligadas a música.

É fácil perceber esses efeitos quando ouvimos uma música e começamos a bater o pé ou mexer a cabeça. Esse é o reflexo talâmico atuando em nosso cérebro.
.
Ou seja, assim que percebemos um som, acontece o reconhecimento da música que está tocando e logo sentimos emoções referente à ela.
.
Porém, por mais que a passagem por essas três etapas funcione de forma idêntica em todos os cérebros humanos, cada um de nós possui a sua própria ISO, isto é, a maneira como percebemos a música individualmente. 
.

O que é Identidade Sonora?

Música na Educação

O princípio de ISO – Identidade Sonora – é um conceito totalmente dinâmico que resume a noção de existência de um som, ou um conjunto de sons, ou  de fenômenos acústicos e de movimentos internos, que caracterizam ou individualizam cada ser humano.

Ou seja, como é citado neste artigo, segundo Ronaldo Benenzon como o acúmulo de energias formadas por sons, movimentos e silêncios que caracteriza cada ser humano e o diferencia de outro e o processo dinâmico de suas respectivas descargas.

Essa dinâmica nos caracteriza, nos diferencia e recria nossa personalidade e nossa forma de ser. É um conceito psico-corporal que integra também a cultura e o ecossistema.

É uma identidade multisensorial que não abarca somente o som, a música, o movimento, o silêncio, senão também os gestos, os odores, as texturas, a temperatura, e muitos outros ainda desconhecidos que fazem parte da comunicação não-verbal.

É algo que está no interior, que também esta fora e que ressoa permanentemente. A parte esquecida da personalidade.

Eu, como o professor de música das escolas NEP, atuo descobrindo essa ISO individualmente em cada aluno para que haja uma integração entre todos em sala de aula, conta o Professor Hélio Henrique Miranda Bento.

Nas unidades das escolas NEP Praia da Costa e Praia de Itaparica, a música é tratada como ferramenta de integração entre os alunos, respeitando a ISO de cada um.

Leia também: Google for Education: Uma nova forma de pensar tecnologia nas escolas.

Música na educação: 5 dicas para evoluir a Identidade Sonora do seu filho

Música na Educação

1 – Relacionar a música com o aprendizado.

A música na educação também pode – e deve – complementar o ensino de várias matérias, como Inglês, português e matemática.

2 – Estimular o reconhecimento visual através da música.

A música na  Educação Infantil trabalha com conteúdos que estimulam o reconhecimento, como a leitura dos números e das letras.

3 – Retire recursos audiovisuais e trabalhe somente a música com a criança.

Outra dica, é a utilização da música na educação com histórias cantadas, isto é, contar histórias de forma mais dinâmica e envolvente, utilizando os sons. Mais do que divertir, histórias cantadas podem se tornar um momento único em família, além de promover o aprendizado e estimular a imaginação, segundo a especialista Débora Munhoz Barboni.

4 – Estimular a coordenação motora integrando música e dança.

Isto é, literalmente, dançar conforme a música! A utilização de música na educação que estimula a movimentação das partes do corpo são de grande ajuda. Gestos como “bata palmas”, “pule bem alto” ou “imite um leão”, são bons exemplos. As crianças adoram!

5 – Criação de um repertório musical próprio.

Sim! Você mesmo pode criar músicas juntamente com seu filho. Você pode criar algo para a hora de dormir, tomar banho, comer e até mesmo, na hora de passear. O que vale é a imaginação e a criação de uma música especial para determinado momento.

O Professor Hélio Henrique Miranda Bento, responsável pela Música das crianças do NEP, trabalha exatamente dessa forma com seus alunos. Ele cria repertórios próprios para os projetos da nossa escola!

Ensinar música de um jeito diferente é minha missão. Desenvolvo com as crianças um método de rápido aprendizado. Componho com músicas próprias que são utilizadas em sala de aula. Músicas atuais que são feitas para a própria escola, ou seja, são exclusividade. Sendo assim, as escolas NEP estão na vanguarda quando o assunto é ensinar música, finaliza o Professor Hélio Henrique Miranda Bento.

 

Leia mais: Google for Education: Uma nova forma de pensar tecnologia nas escolas